DABATE TEMÁTICO SOBRE A CRISE NOS OCEANOS

Mundo precisa de “soluções claras” para enfrentar a crise dos oceanos

Foto | Saeed Rashid

Um debate temático sobre a crise dos oceanos reuniu funcionários de governo e da ONU e especialistas de alto nível para debater o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 14 (ODS 14): Vida na Água. O evento é uma preparação para Conferência dos Oceanos da ONU de 2022, que vai acontecer em Lisboa.

Na abertura da reunião, o presidente da Assembleia Geral da ONU lembrou que os oceanos sustentam bilhões de pessoas em valor nutricional, econômico e social em todo o mundo. “Simplesmente não existe cenário em que vivamos em um planeta sem oceano”, destacou Volkan Bozkir

Os participantes discutiram soluções para uma “recuperação azul”, com respostas para problemas que ameaçam a vida marinha, como a poluição por plástico, a acidificação dos oceanos e a pesca ilegal.

O mundo deve aproveitar “soluções claras, transformadoras e acionáveis” para enfrentar a crise dos oceanos, disse o presidente da Assembleia Geral da ONU, Volkan Bozkir. A fala foi feita na terça-feira (1) na abertura de um debate temático de alto nível sobre o oceano e o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 14 (ODS 14): Vida na Água. 

“Falando simplesmente, nosso relacionamento com os oceanos do nosso planeta deve mudar”, disse Bozkir, no evento que teve como objetivo gerar impulso para a Conferência dos Oceanos da ONU de 2022, que deve acontecer assim que as medidas de segurança de saúde pública permitirem. 

Contra o cenário em que as atividades humanas ameaçam desfazer o delicado equilíbrio desse ecossistema, que sustenta bilhões em valor nutricional, econômico e social em todo o mundo, o presidente da Assembleia afirmou que “simplesmente não existe cenário” em que vivamos em um planeta sem oceano. 


Apetite por mudanças – As pessoas não querem viver em “um mundo de uma crise após a outra”, disse Bozkir, defendendo a “segurança, sustentabilidade e paz de espírito” que vem com um planeta saudável. 

Os criadores de políticas também estão cada vez mais conscientes de como um oceano saudável é parte integrante de uma economia forte. Ele citou como exemplo países e cidades que priorizaram as áreas costeiras e marinhas sobre o turismo e zonas de mangue protegidas, além de esforços para combater a pesca ilegal, não declarada e não regulamentada e regulamentar o transporte e a extração de recursos.

“Recuperação azul” – De acordo com Bozkir, novas abordagens de governança, política e mercado que incentivam tanto a lucratividade quanto a sustentabilidade – para as pessoas e o planeta – oferecem uma oportunidade para uma “recuperação azul”, com construção de resiliência, particularmente em pequenos estados insulares em desenvolvimento.

“Construir uma economia oceânica sustentável é uma das tarefas mais importantes e uma das maiores oportunidades de nosso tempo”, explicou, instando governos, indústrias, sociedade civil e outros a “unir forças para desenvolver e implementar soluções oceânicas”. 

Como as metas do ODS 14 estarão entre as primeiras a serem debatidas, Bozkir encorajou todos a “pensar adiante” e chegar à segunda Conferência dos Oceanos em Lisboa, Portugal, com “evidências demonstráveis ​​de progresso”.   

“Nos deixe escolher chegar a Portugal com realizações e progressos que inspirem esperança e optimismo para um amanhã melhor”, concluiu, ao lembrar que a Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável já começou.

Ecossistemas costeiros e marinhos fornecem alimentos, meios de subsistência e proteção costeira
para mais de um bilhão de pessoas em todo o mundo – Foto | UNCTAD

“Fundamentos” da economia azul – O enviado especial para os oceanos, Peter Thomson, enfatizou a necessidade de melhorar nosso relacionamento com o mar para um relacionamento de respeito e equilíbrio.

Ele ressaltou a importância de cumprir o ODS 14, dizendo que “a acidificação dos oceanos não pode continuar sem resposta”, enquanto apontava que as reduções de emissões de gases de efeito estufa são necessárias para cumprir as metas de 2030. 

Enquanto destaca o progresso que está sendo feito na conscientização em relação aos oceanos, à cobertura de áreas marinhas protegidas e à ciência dos oceanos, Thomson destacou a necessidade urgente de expansão. 

“No coração do ODS 14 está a economia azul sustentável”, disse Thomson, “da nutrição à medicina, da energia à captura de carbono e transporte livre de poluição, a economia azul sustentável é o alicerce sobre o qual um futuro seguro para a humanidade pode ser construído”. 

Plástico no oceano – Para o funcionário da ONU disse que “não há solução simples para a praga da poluição marinha por plástico em um mundo dependente do plástico”.

No entanto, Thomson defendeu medidas para combater calamidades, incluindo o “aumento exponencial” do financiamento para os países em desenvolvimento investirem em infraestrutura de coleta e descarte de resíduos e também a implementação ampla de sistemas de redução, reciclagem e substituição de plástico.

Ele concluiu destacando a interconectividade do mundo, chamando-a de “a lição fundamental da pandemia da COVID-19 ”. 

“Estamos conectados dentro do abraço carinhoso da natureza”, disse, sustentando que se envenenarmos a natureza, na verdade estamos “envenenando a nós mesmos”. 

Engajando com o oceano – De Portugal, o ministro do Mar, Ricardo Serrão Santos, também falou sobre a importância da saúde dos oceanos para o bem-estar humano e planetário, apontando para o objetivo de 2022 de um engajamento “mais inclusivo e mais conectado” com o oceano.

“Estamos reunidos aqui hoje para reavivar o tom da conferência” do próximo ano, disse ele, elaborando sobre a necessidade de “ampliar a ação oceânica, aumentando e melhorando a coordenação em todos os níveis, com financiamento e monitoramento contínuo”.   

Santos destacou o apoio de Portugal à ciência, como sendo “fundamental para a transversalidade em todas as ações do oceano”. 

Buscando a recuperação sustentável – A secretária do Gabinete de Relações Exteriores do Quênia, Raychelle Omamo, chamou a atenção para o impacto da COVID-19, não apenas em atrasar a conferência, mas também no dano que a pandemia causou aos empregos das economias costeiras e nas comunidades costeiras vulneráveis.

“Buscamos uma recuperação que promova o desenvolvimento sustentável e a harmonia entre as pessoas e os recursos naturais que nos sustentam”, afirmou.

ASSINE NOSSO BLOG

Publicidade

Mais recentes

Categorias

Instagram Orca

Publicidade
Publicidade

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Open chat
Posso ajudar?
%d blogueiros gostam disto: